Sobre o lugar que a corrida ocupa na minha vida

Por Denise Silva
Professora Universitária

A corrida chegou na minha vida como todas as coisas boas chegaram: meio a uma tempestade. Estava com um filho de um ano, aprendendo a ser mãe (aprendo todo dia até hoje) e gorda, infeliz comigo e com meu corpo. Sim, era uma questão de aparência e me dou esse direito de sofrer as consequências de uma sociedade que cobra da mulher um corpo sempre enxuto e jovem. Juntei dinheiro e estava a ponto de fazer uma lipoaspiração quando falei do medo que eu tinha de morrer na cirurgia e Camilla Lopes me disse: “guarde esse dinheiro, compre um bom tênis e vamos correr comigo. Em três meses você se sentirá melhor”.

Eu e Camilla Lopes na minha primeira corrida, em março de 2013.

Topei e comecei a correr no Parque da Cidade, em Sobral, com essa amiga e colega de trabalho. Foi também Camilla quem me inscreveu na minha primeira corrida, em uma das etapas do Circuito das Estações (Fortaleza) em março de 2013. De lá para cá tenho tido altos e baixos. Corri em 2013, corri um pouco em 2014, mas nunca fui muito assídua nos treinamentos. Falhava muito, conseguia diminuir o tempo nas corridas, depois caía de novo…em 2015 e 2016 praticamente não corri. Em 2017 voltei a treinar com mais assiduidade e em agosto contratei personal. Foi uma boa experiência (apesar de alguns pesares), pois serviu para que eu percebesse que com ajuda profissional posso fazer melhor. Fiz meus melhores tempos nessa época, se comparados com os do passado. Fiz a minha primeira corrida de 5 km em 32 minutos (Corrida das Assessorias, em Fortaleza) e a minha primeira de 10 km em 1h12min (Circuito das Estações, etapa Verão, Fortaleza), sendo que essa corrida me deixou muito feliz, pois nunca tinha feito abaixo de 1h15min.

Circuito das Estações, 2017.

Bom, mas nem tudo são flores no reino sobralense, então tive de fazer uma cirurgia de retirada de cisto e isso aconteceu em janeiro de 2018. Precisei passar 3 meses parada. Que saco!!! Difícil voltar. Muita indisposição. Aí conversei com uma amiga que estava pensando em entrar numa assessoria que não era a Sprint, mas me plantou a ideia de que poderia ser uma boa. E para voltar fui me consultar com minha especialista em assuntos relacionados ao corpo: Camilla Lopes. Nesse momento ouvi a coisa mais libertadora e organizadora da minha vida: “Denise, olhando para sua relação com a corrida daqui para trás o que se percebe é que você começa e pára, ou por falta de tempo, ou por algum problema de saúde, enfim, acho que uma assessoria seria muito boa pra você, pois você corre sozinha e isso não ajuda muito”. Percebi que eu nunca dei à corrida um lugar fixo na minha vida. Era sempre um passa tempo que ora poderia ser, ora não cabia, e essa fala da Camilla me alertou para minha inconstância. Ela me passou o telefone do Celso e do Wladir. Entrei na Sprint em 23 de abril desse ano e foi uma das minhas melhores decisões.

Colegas de assessoria na prova do dia 10 de junho, em Fortaleza.

Desde quando entrei melhorei tudo: o sono, o humor, e a organização do dia!!! Correr é mais que diminuir o tempo nas corridas. Correr é conhecer pessoas engraçadas como Almir, Irismar e o Presidente. Correr é sentir o frio no caminho pro treino às cinco da manhã e sentir o calor ao chegar com as piadas da galera e com o bom dia de sorriso aberto do Celso e a pergunta atenciosa do Wladir sobre como estou me sentindo. Correr é rir da pergunta de todos os dias: “onde é o treino amanhã?”. Correr é querer inscrever-se em todas as corridas e ficar triste por que nem todas cabem no bolso. Correr é querer ir treinar no feriado, e torcer para chegar o dia da corrida para ver se todas as coisas que você fez tiveram efeito!!! Correndo percebi que faço parte de algo maior. E como tem sido divertido ver-me nesse movimento de redescoberta de mim e do meu corpo.

Chegada dos meus melhores 10k!

Foi muito bom correr no domingo, dia 10 de junho, o Circuito das Estações em Fortaleza (etapa Inverno), ter outros colegas da Sprint correndo também e cada vez que passávamos um pelo outro nos fortalecíamos. Fiz os 10 km em 1h10 min, meu recorde! Foi engraçado quando passamos por um carro cheio de jovens bêbados e um deles colocou o rosto fora e perguntou: “Vocês não tem o que fazer não”? Se esse jovem realmente quisesse ouvir minha resposta eu diria: “Estou fazendo exatamente o que tenho de fazer, meu caro: curtindo a vida”. É bom demais estar na Sprint e poder ser uma corredora, amadora, lenta, mas que insiste todo dia.

Colegas de assessoria na prova do dia 10 de junho, em Fortaleza.

Obrigada a todos da Sprint e em especial à Camilla e aos tão atenciosos Celso e Wladir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *